Gracielle Reis
21 Janeiro 2021
0 Comments

Como reconstruir uma amizade?

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Iniciamos esta reflexão com alguns versículos do Livro dos Provérbios:

“O amigo ama em todo o tempo: na adversidade, ele se torna um irmão” (Prov 17,17)

imagem | freepik

“Melhor é a correção manifesta do que uma amizade fingida. As feridas do amigo são provas de lealdade, mas os beijos do que odeia são abundantes.” (Prov 27,5-6)

Muito se fala que “amigo é aquele irmão que se escolhe”. Ou seja, um amigo é alguém que entra em nossa vida porque há identificação, admiração, afinidades, além de gostos, valores, interesses e pensamentos similares. Criamos uma relação de reciprocidade, liberdade e espontaneidade.

Com o amigo, podemos ser nós mesmos e contamos com seu apoio e disponibilidade tanto nos momentos alegres como nos tristes. Sabemos que ele estará ali nas horas difíceis e esperamos dele e manifestamos também a confiança, lealdade, transparência. Oferecemos nossa presença sem máscaras. É o que se espera de toda amizade verdadeira!

Contudo, infelizmente, como pessoas diferentes que são e devido a circunstâncias variadas da vida e aos limites humanos, os amigos acabam tendo seus momentos de divergências e contrariedades. Podem ferir-se mutuamente e a amizade fica abalada.

Como então reconstruir uma amizade?

Os dois trechos bíblicos acima apontam algumas direções:

  • “O amigo ama em todo o tempo”: se é todo o tempo, então é todo! Todo é todo, não é parcialmente. Amizades genuínas resistem ao tempo e às adversidades. Quando estas ocorrem, o amigo se torna um irmão, ou seja, os vínculos são tão fortes como ou maiores do que os consanguíneos. Há uma disposição legítima de amar, perdoar, ser paciente, esperar o tempo do outro. Nisto, a célebre passagem de 1 Coríntios 13 de São Paulo nos recorda bem: “Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.” (1 Cor 13,7). Mais uma vez os pronomes indefinidos nos dão a referência: se é tudo, é tudo;
  • “Melhor é a correção manifesta do que uma amizade fingida”: outro indicativo de uma amizade verdadeira é a transparência. Corrige-se outro – claro que com base na caridade e na verdade – porque queremos o seu bem e não “passamos a mão na cabeça”, quando comete algum erro ou está seguindo um caminho inadequado. Não é nada agradável ouvir uma correção. Isto mexe com nossas vaidades, ego e presunções. Contudo, a parte que ouve a emenda também precisa de ter maturidade de acolher e reconhecer o que for preciso;
    “As feridas do amigo são provas de lealdade, mas os beijos do que odeia são abundantes”: amizades autênticas são maduras e compreendem que uma verdade ou correções trazidas pelo outro, se bem colocadas, são provas de fidelidade e afeição. Se sabemos que o amigo nos ama de fato, veremos, com tranquilidade, que suas palavras foram de amor e zelo connosco. São Paulo em Coríntios também confirma tal realidade: “[O amor] não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade.” (1 Cor 13,6);

Além disso, havendo divergências entre os amigos, é sinal ainda de maturidade perceber que uma discordância é normal em qualquer relacionamento! Não estamos falando de agressões físicas e verbais que extrapolam qualquer limite, mas do fato de que sempre teremos pontos de vista diferentes. O que vale é levar o atrito como oportunidade de fortalecimento na amizade. As grandes amizades crescem assim quando, face a um desentendimento, há diálogo, respeito, transparência e liberdade para expor o que se deseja e também para ouvir.

Sendo assim, o que preferes? As “feridas” do amigo ou os “beijos” de quem não nos quer bem?

Um amigo pode, muitas vezes, nos ferir com maus atos ou com a verdade. Entretanto, se é um amigo fiel, as feridas são curadas e tratadas e ele não nos rouba de nós mesmo. Permanece a dignidade de ambos. Já os beijos fingidos são amargos e podem tirar essa dignidade.

Os passos de reconstrução de uma amizade, em alguns momentos, são árduos, mas se for para crescermos na comunhão e fraternidade com os outros, vale a pena encarar!

Latest posts by Gracielle Reis (see all)
Shear it!

Gracielle Reis

Missionária da Comunidade Canção Nova, carioca, jornalista pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e bacharel em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Já atuou em coberturas jornalísticas nacionais e internacionais, especialmente na Terra Santa. A jornalista tem experiência em rádio, TV e plataformas digitais, além de projetos de evangelização nacionais para a juventude. Atualmente, é jornalista da TV Canção Nova de Portugal. Instagram: @graciellereiscn

Top
TV CANÇÃO NOVA | DIRETO
Estrada da Batalha - Apartado 199 - 2496-908 Fátima | Tlf.: 249 530 600
© Copyright 2020

TV Canção Nova | Direto


Rádio Canção Nova | Direto


Multimédia