Padre António Justino Filho
13 Março 2022
0 Comments

Transfiguração: “Enquanto orava, alterou-se o aspecto do seu rosto”

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Apesar de o homem ter esquecido o seu destino sobrenatural, que consistia em ser “amigo de Deus”, não destrói Deus o Seu projeto a respeito do homem. Tomando a iniciativa do diálogo, Deus vem ao seu encontro, revela-Se-lhe e deseja estabelecer com ele pessoais relações de amizade, tornar-Se seu “aliado”.

A aliança feita com Abraão e todas aquelas, que se lhe seguiram, no decurso dos séculos, são preparação da Aliança definitiva, mas são também a expressão do desejo que Deus tem de entrar em comunhão com o homem. A esta prova de confiança, dada por Deus, o homem só pode dar a resposta que Abraão deu: aceitar a palavra de Deus, “sair da sua pátria”, do seu ser “carnal”, pôr-se a caminho, correndo o “risco” da fé. Esta disponibilidade não suprime os problemas, os perigos, as dificuldades do caminho. Porém, a obediência a Deus, mesmo quando nos parece contra toda a lógica, traz consigo a salvação, pela força mesma do amor, com que é vivida. O nosso caminho de dor levar-nos-á sempre à nossa transfiguração em Cristo, que, na Sua fidelidade ao Pai, deu a Sua vida por nós.

1ª Leitura: Livro do Génesis 15, 5-12.17-18 — Deus estabelece a aliança com Abraão
Toda a história da salvação, desde o princípio até ao fim dos tempos, não é outra coisa senão o estabelecimento de uma aliança entre Deus e os homens, aliança que é oferta gratuita de Deus e que há-de ser aceitação humilde e agradecida da parte do homem. Mas há momentos mais significativos no estabelecimento desta aliança. Um deles, que é o seu ponto de partida mais explícito, é o da Aliança com Abraão, o crente por excelência, que, pela fé, se entrega totalmente à palavra de Deus. Nesta leitura, a aliança é significada por meio de um antigo rito: os animais oferecidos e esquartejados são o gesto do homem e o fogo que passa pelo meio deles é sinal da presença de Deus. Assim, de aliança em aliança, nos encaminhamos para a celebração da nova e eterna aliança na Páscoa do Senhor.

Salmo 26(27) — O Senhor é a minha luz e a minha salvação.

2ª Leitura: Epístola de São Paulo aos Filipenses 3, 17—4,1 — Cristo nos transformará à imagem do seu corpo glorioso
Cristo glorioso é o termo de toda a história humana, o objecto da esperança de toda a nossa vida e a meta para onde se orienta o nosso itinerário quaresmal. Ao tempo da ascese difícil e dolorosa na subida, que acompanha a vida que vivemos neste corpo mortal, responde a vida gloriosa, que já se manifesta no Corpo do Senhor transfigurado. Mas o caminho e a porta da glória passa pela Cruz.

Evangelho: São Lucas 9, 28b-36 — “Enquanto orava, alterou-se o aspecto do seu rosto”
A Transfiguração aparece todos os anos no Segundo Domingo da Quaresma, como anúncio da Ressurreição, do modo que, ao longo deste tempo de preparação pascal, estejamos bem conscientes de que o tempo, para onde caminhamos, é Jesus ressuscitado. A Transfiguração, lida neste Domingo depois do Domingo da Tentação, faz com ela uma espécie de preâmbulo, antes de chegarmos à parte central da Quaresma. Mortificação e glorificação, tentação e glória, morte e ressurreição, são de facto, a síntese do mistério pascal que vamos celebrar.

Latest posts by Padre António Justino Filho (see all)
Shear it!

Padre António Justino Filho

Comunidade Canção Nova Portugal. Está neste momento numa imersão missionária na Diocese de Évora

Top
TV CANÇÃO NOVA | DIRETO
Estrada da Batalha - Apartado 199 - 2496-908 Fátima | Tlf.: 249 530 600
© Copyright 2020

TV Canção Nova | Direto


Rádio Canção Nova | Direto


Multimédia