Padre António Justino Filho
28 Março 2021
0 Comments

É por teu amor…

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

No Domingo de Ramos, celebramos a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. Unamo-nos ao coro dos que o aclamam: “Bendito o Rei que vem em nome do Senhor. Paz no Céu e glória nas alturas!”.

imagem | cathopic

1ª LEITURA: Isaías 50, 4-7 – “Não desviei o meu rosto dos que Me ultrajavam, mas sei que não ficarei desiludido”.
O profeta Isaías apresenta-nos o “Servo do Senhor”, não num contexto de triunfo e glória, mas com o quadro de quem assume corajosamente o sofrimento humano, pois experimenta a força de Deus na sua extrema fraqueza: “ O Senhor Deus veio em meu auxílio… e sei que não ficarei desiludido”. Para além de admirarmos o contraste entre o terrível sofrimento e a sua aceitação resignada e esperançosa, importa passarmos à imitação de tão magnífico exemplo. Como imito Jesus, com palavras e obras, na sua experiência de cruz?

2ª LEITURA: Epístola de São Paulo aos Filipenses 2, 6-11 – “Humilhou-Se a Si próprio; por isso Deus O exaltou”
São Paulo recorda-nos a infinita coragem de Jesus que, para salvar a humanidade, se despojou da sua grandeza e glória divinas. “Cristo Jesus, que era de condição divina, não se valeu da sua igualdade com Deus, mas aniquilou-se a si próprio. Assumindo a condição de servo, tornou-se semelhante ao homem”. Estamos tão habituados a referir-nos à encarnação de Deus e à dádiva da sua vida na cruz, que nos parece algo normal. Mas imaginemos que nós éramos Deus e consideremos a generosidade colossal para desprendermos da suma felicidade divina e assumirmos a dureza da vida de um homem comum… Vivamos em permanente ação de graças pelo desmedido amor que Deus nos tem.

EVANGELHO: São Marcos 14, 1—15,47 – Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo
A paixão e morte de Jesus tem em todos os Evangelhos um lugar de destaque. Sendo todos convergentes, Marcos tem o seu modo próprio de apresentar o máximo testemunho de amor que é dar a vida pelos seus amigos, que somos todos nós.

O silêncio de Jesus é sublinhado algumas vezes pelo segundo evangelista. Por vezes, só o silêncio pode exprimir o que desejamos. O quadro da realidade é tão rico que sobra a legenda das palavras. Marcos põe em especial evidência a solidão de Jesus: não aparece ninguém a defendê-lo ou a acompanhá-lo. Só depois de morrer, é posta a seguinte nota: “Estavam também ali umas mulheres a observar de longe”.

Em toda a narração da paixão e morte de Jesus não podemos ficar de fora, como espectadores, a ver como que cenas de um filme que não faz parte da nossa vida. Tudo o que Jesus vive e sofre tem um dedicatória de salvação que me diz respeito: É por teu amor, caríssimo irmão ou irmã do século XXI, que estou a ser traído por Judas, a ser julgado e coroado de espinhos, a levar a cruz até ao Calvário e aí a ser crucificado e a dar a vida. Por ti.

Contemplemos ainda o domingo do Senhor com o Salmo 21 (22) – Meu Deus, meu Deus, porque me abandonastes?

Shear it!

Padre António Justino Filho

Comunidade Canção Nova Portugal. Está neste momento numa imersão missionária na Diocese de Évora

Top
TV CANÇÃO NOVA | DIRETO
Estrada da Batalha - Apartado 199 - 2496-908 Fátima | Tlf.: 249 530 600
© Copyright 2020

TV Canção Nova | Direto


Rádio Canção Nova | Direto


Multimédia