Padre António Justino Filho
11 Abril 2021
0 Comments

“Deus é sempre maior” e ultrapassa imensamente as limitações da nossa inteligência

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

No domingo a seguir a Páscoa, celebramos a infindável e desmedida misericórdia de Deus, que nos enche a todos de confiança e esperança. Deus revela-se para nós como amor infinito, mesmo que sejam grandes as nossas infidelidades e pecados. Esta celebração foi instituída no ano 2000, pelo Papa São João Paulo II, na sequência da canonização de Santa Faustina Kowalska, que teve revelações especiais da misericórdia do Coração de Jesus Cristo. Recordamos que o Papa Francisco convocou toda a Igreja para a celebração de um “Ano Jubilar da Misericórdia” e nos pede para que todos nós sejamos “missionários da misericórdia”.

1ª LEITURA: Actos dos Apóstolos 4 , 32-35 – Os Actos dos Apóstolos falam de um testemunho original que os primeiros cristãos davam da ressurreição de Cristo. Não se tratava de discursos nem de aulas de catequese. Era o testemunho de unidade entre todos e de partilha de bens com os mais necessitados: “tinham um só coração e uma só alma; ninguém chamava seu ao que lhe pertencia…Não havia entre eles qualquer necessitado”. Ainda hoje a caridade, prática e solícita, tem um forte poder evangelizador. O cristão que ama de verdade está a provar que Cristo ressuscitou e está vivo no meio de nós.

2ª LEITURA: Primeira Epístola de São João 5, 1-6 – São João recorda-nos que a prova de que amamos a Deus está em cumprir a sua vontade, expressa nos seus mandamentos. As nossas palavras de profissão de fé valem na medida em que o nosso modo de viver o comprova. Recorda-nos também que os mandamentos de Deus não são pesados, pois são exigências de quem nos ama imensamente.

EVANGELHO: São João 20, 19-31 – Na cena do Evangelho encontramos o apóstolo Tomé como patrono das nossas dúvidas e perplexidades. Sonhamos talvez com poder ver tudo claro no campo da fé, como se Deus e os mistérios da fé pudessem provar cientificamente. Mas temos de ser humildes, pois como afirma Santo Agostinho: “Deus é sempre maior” e ultrapassa imensamente as limitações da nossa inteligência. Imitemos São Tomé na sua confissão de fé, com a audácia da humildade: “Meu Senhor e meu Deus”.

Contemplemos ainda o domingo do Senhor com o Salmo 117 (118) – Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom, porque é eterna a sua misericórdia.

Shear it!

Padre António Justino Filho

Comunidade Canção Nova Portugal. Está neste momento numa imersão missionária na Diocese de Évora

Top
TV CANÇÃO NOVA | DIRETO
Estrada da Batalha - Apartado 199 - 2496-908 Fátima | Tlf.: 249 530 600
© Copyright 2020

TV Canção Nova | Direto


Rádio Canção Nova | Direto


Multimédia