Apoios concedidos pela Cáritas Diocesana de Lisboa

Comunidade Vida e Paz, Refood, Banco Alimentar contra a Fome e cinco paróquias do Patriarcado recebem donativo, no valor de cerca de 150 mil euros, para assegurar que “não haja fome” na área geográfica da diocese de Lisboa.

A Cáritas Diocesana de Lisboa anunciou hoje um donativo de cerca de 150 mil euros para apoiar projetos sociais que asseguram refeições a populações sem-abrigo ou em situação de carência económica. “Neste tempo de pandemia, a primeira urgência é a de mantermos em funcionamento as instituições que entre nós têm assegurado que não haja fome na área geográfica do nosso Patriarcado”, refere uma nota.

O apoio financeiro para a aquisição de bens alimentares destina-se à Comunidade Vida e Paz, ao serviço das 450 pessoas em situação de sem-abrigo; Refood, que elimina desperdícios alimentares, distribuindo os excedentes em 46 mil refeições por mês; Banco Alimentar contra a Fome, que apoia 380 instituições, acudindo a cerca de 80 mil pessoas; e cinco paróquias do Patriarcado de Lisboa que servem refeições a um total de 1382 pessoas, diariamente. “Sabemos que as instituições, agora apoiadas, estão a fazer um trabalho absolutamente notável, excedendo-se, para não abandonarem quem mais precisa, numa hora de particular aperto. Estamos solidários com todos os colaboradores e voluntários, que se desmultiplicam na sua missão de fazer o bem, bem feito”, indica a Cáritas Diocesana de Lisboa.

Como contribuir?
Para contribuir para a Cáritas Diocesana de Lisboa, pode fazer um donativo através do IBAN PT50 0033 0000 5005 7111 7070 5. “Todos juntos vamos superar este desafio”, assegura a instituição.

A organização católica diz-se “particularmente atenta ao desenrolar da situação” provocada pela pandemia do Covid-19, agradecendo a solidariedade de quem se manifestou pronto a ajudar as populações mais necessitadas. “Ainda que fiquemos em casa, todos podemos ser úteis”, refere o comunicado.

Por outro lado, a Cáritas Diocesana de Lisboa assegurou aos párocos do Patriarcado a intenção de “reforçar a sua colaboração” com as paróquias. “Nunca é demais o reforço da comunicação, que entende assegurar que a Cáritas Diocesana de Lisboa não está de todo ausente, nesta luta que convoca todos a uma solidariedade ainda maior, mesmo quando, seguindo normas da OMS e DGS, nos vejamos condicionados no agir. Como não seria de esperar outra coisa, a CDL continua não só contactável por telefone, por email, como pronta sobretudo a reforçar a sua colaboração com as paróquias da Diocese, no apoio que prestam a quem vive em situação de carência, hoje também agravada pelo medo e ansiedade”, escreveu o presidente da instituição, Luís Macieira Fragoso, numa mensagem enviada esta quarta-feira, 25 de março, aos párocos da diocese.

Na informação, este responsável lembra que “ninguém se deve sentir só no serviço de proximidade-protegida”, que “é solicitado por quem está sozinho, sobretudo os mais idosos, sem alimentos, medicação, bens de primeira necessidade”. “Por isso, a CDL deseja muito ser essa colaboração facilitadora, para ajudar grupos paroquiais a chegar a quem de outra forma não chegariam”, garante. “Além disso é preciso ter presente todos os que, fruto da atual situação, poderão ver o seu rendimento muito reduzido ou mesmo anulado”, acrescenta.

O presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa assegura ainda que a instituição usará “todos os recursos ao nosso alcance, e com eles a Fé, a Eucaristia, a Oração do Encontro, para protegermos o maior número possível de vidas e o seu bem-estar”. “A Caridade tudo vence. Vence sempre! E é com esta certeza, que não dispensa nenhum de nós, que nos auguramos dias de grande alento e de coragem, na defesa da vida e na celebração da morte e ressurreição”, termina a mensagem de Luís Macieira Fragoso, enviada aos párocos do Patriarcado de Lisboa.

Fonte: Patriarcado de Lisboa e Jornal da Verdade

Nuno Nogueira