Padre António Justino Filho
11 Julho 2021
0 Comments

A força da missão vem do poder de Cristo que nos envia

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Estamos no 15º domingo do tempo comum! Vejamos o que a Liturgia da Palavra nos ensina:

O profeta Amós (Amós 7, 8-12) viveu num tempo de grande prosperidade económica. Contrastando com a abundância de bens materiais, abundavam também as injustiças, com os ricos sempre mais ricos à custa de empobrecer os pobres. A justiça era feita a quem a comprava. A prática religiosa reduzia-se ao esplendor do culto feito por corações divorciados de Deus.

Chegado Amós ao santuário real de Betel, o sacerdote Amasias ordena que vá pregar para onde quiser, mas que os deixe em paz. Amós defende a sua missão, dizendo que é um simples pastor, mas que recebeu de Deus uma ordem: “Vai profetizar ao meu povo de Israel”. O importante não é fazer coisas que atraiam elogios e aplausos, mas cumprir o que Deus nos pede, mesmo que isso comporte reações hostis, a bem-aventurança da perseguição.

imagem | cathopic

No início da carta aos cristãos de Éfeso (Ef 1, 3-14), vem uma bela oração de bênção, agradecendo a Deus pelas maravilhas que tem feito a nosso favor. A bênção é a mais característica das orações judaicas. Aqui não se agradecem bens materiais como colheitas abundantes e grandes rebanhos, mas “toda espécie de bênçãos espirituais em Cristo”. É que somos beneficiados com uma interminável história de salvação, até chegar à plenitude dos tempos, em que todas as coisas são instauradas em Cristo, sendo nós herdeiros das riquezas da sua graça. Nunca agradeceremos suficientemente o facto de Deus nos beneficiar com a superabundância dos seus dons, feito nosso omnipotente servidor e amigo.

Jesus envia os seus apóstolos dois a dois (Mc 6, 7-13), não propriamente para fazerem companhia um ao outro, mas como uma pequena comunidade que há de criar outras comunidades de seguidores de Jesus. O individualismo não tem lugar em quem é de Cristo. Só somos de Cristo se fizermos parte de uma comunidade cristã. Aceitar a pessoa de Jesus é assumir ser parte da sua Igreja.

Os apóstolos são diferentes dos rabis, dos mestres judaicos. Estes não iam à procura de discípulos. Eram estes que procuravam os mestres. Nesta linha podemos ver como o atual Papa Francisco insiste connosco para sermos uma “Igreja em saída”, disponível para ir ao encontro das pessoas, ultrapassando a nossa zona de conforto.

Cristo recomenda aos apóstolos para partirem em missão de um modo despojado de apoios materiais: sem pão, alforge, dinheiro. É que a força da sua missão não virá de ajudas e seguranças que dão os bens deste mundo, mas do poder de Cristo que os envia em missão. Em que confio mais: nos bens materiais ou na presença do Senhor que me ama e envia em missão na família, na comunidade, na Igreja e no mundo?

Latest posts by Padre António Justino Filho (see all)
Shear it!

Padre António Justino Filho

Comunidade Canção Nova Portugal. Está neste momento numa imersão missionária na Diocese de Évora

Top
TV CANÇÃO NOVA | DIRETO
Estrada da Batalha - Apartado 199 - 2496-908 Fátima | Tlf.: 249 530 600
© Copyright 2020

TV Canção Nova | Direto


Rádio Canção Nova | Direto


Multimédia